Fisioterapia e a Epicondilite Lateral no Esporte








Olá, eu sou a Dani e esse texto fala sobre Fisioterapia e a Epicondilite Lateral no Esporte. Antes de começar a lê-lo, siga o blog nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter. Você também pode entrar nos grupos de Whatsapp ou no grupo do Telegram . Agora, vamos à leitura!




A epicondilite lateral é uma causa frequente de dor no cotovelo e afeta de 1 a 3% da população adulta anualmente. Apesar de ter sido relatada em 1873 por Runge, a associação com o termo "cotovelo do tenista" ocorreu em 1883 com Major

A causa da epicondilite lateral é desconhecida. Porém, há um consenso de que a origem tendínea do músculo extensor radial curto do carpo tenha um papel principal do desenvolvimento da doença, pois este tendão está acometido em até 97% dos casos. Em 35% dos pacientes também já existe o acometimento do tendão do extensor comum dos dedos ou da aponeurose extensora.

A teoria aceita atualmente, descrita por Nirschl e Pettrone em 1979, caracteriza a condição patológica envolvendo a origem do extensor radial curto do carpo e em menor grau, a porção ântero-medial do extensor comum dos dedos.

A lesão é um resultado da aplicação de uma tração contínua por repetição, resultando em microrrupturas de origem do extensor radial curto do carpo, seguidas de fibrose e formação do tecido de granulação.


Exame Físico

A palpação inicia-se pela identificação dos epicôndilos lateral, medial e ponta do olécrano.

Na face lateral palpa-se a origem da musculatura extensora do punho e dedos, complexo ligamentar lateral e cabeça do rádio. A dor localizada no epicôndilo lateral e na origem da musculatura extensora do punho é sugestiva de epicondilite lateral ou síndrome do túnel radial.

O exame deverá continuar com a palpação da cabeça do rádio em uma depressão logo abaixo da musculatura extensora do punho. Esta será realizada durante a pronossupinação, em graus variáveis de flexoextensão, avaliando-se seu contorno e integridade.

O teste clínico específico para a epicondilite lateral tem o objetivo de reproduzir a dor experimentada pelo paciente.  O teste conhecido como de Cozen é realizado com o cotovelo em 90º de flexão e com o antebraço em pronação. Pede-se ao paciente que realize a extensão ativa do punho contra a resistência que será imposta pelo examinador. O teste será positivo quando o paciente referir dor no epicôndilo lateral, origem da musculatura extensora do punho e dedos(9).

O teste alternativo, conhecido como de Mill, é realizado com o paciente com a mão fechada, o punho em dorsiflexão e o cotovelo em extensão. O examinador, então, forçará o punho em flexão e o paciente é orientado a resistir ao movimento. Em caso positivo, o paciente sentirá dor no epicôndilo lateral.

Fisioterapia

O tratamento da epicondilite lateral pode ser conservador (sem cirurgia) e envolve diversas modalidades como: fisioterapia, uso de órteses, medicamentos, acupuntura, e etc.

É importante orientar o paciente a respeito da causa da doença para que ele evite atividades que possam produzir ou agravar os sintomas. Caso a doença seja decorrente de alguma prática esportiva, é importante orientar o atleta e o treinador para verificar possíveis erros na técnica no gesto esportivo e também sobre o uso inadequado de equipamentos.

 A primeira fase do tratamento envolve reduzir ou se necessário retirar, as atividades que estejam a causar a inflamação. O controle da fase inflamatória, com gelo e terapia manual a fim de relaxar o excesso de tensão das fibras musculares e tendões, são também objetivos principais nesta primeira fase. A Fisioterapia gera analgesia, através de terapia manual (massagem), exercícios terapêuticos de alongamentos das estruturas, e posteriormente, exercícios para fortalecer os músculos agonistas e antagonistas a fim de reequilibrar a articulação do cotovelo e tecidos ao redor, a fim de evitar a ocorrência de recidivas.

A maioria dos casos de epicondilite lateral são tratados através do tratamento conservador com fisioterapia, por isso o fisioterapeuta possui um papel importante na reabilitação dessa patologia.

Os pacientes geralmente respondem bem ao tratamento e obtêm uma melhora satisfatória e retorno da sua atividade de vida diária e/ou esportiva de forma efetiva, com o uso de técnicas não invasivas e que não trazem efeitos colaterais.

O fisioterapeuta deve atuar no controle da dor e inflamação do início da lesão e depois trabalhar para tratar a causa da epicondilite lateral, através dos exercícios de alongamento e fortalecimento dos músculos de todo o complexo articular do cotovelo e punho, em especial os extensores de punho.

Após o período de reabilitação, pode ser necessário modificar as atividades ou a técnica do paciente antes que ele retorne à atividade que causou o problema. Como exemplo, realizar modificações ergonômicas na mesa de um computador, corrigir técnicas impróprias na realização de prática esportiva, etc.


  • EBOOK GRATUITO: Fisioterapia Esportiva no ombro

  • Capacite-se para melhorar seu atendimento na Fisioterapia:
  • Workshop Bandagem Funcional Cinética
  • Eletrotermofototerapia - Curso com Prof. Dr. Thiago Fukuda
  • Combo Joelho e Quadril - Cursos Online
  • Curso Online de Fisioterapia Desportiva


  • Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.