Os treinos de alta intensidade (HIIT) realmente trazem bons resultados, mas, como qualquer atividade física, pode provocar danos à saúde qua...

A principal causa de lesões do Joelho no Hiit





Os treinos de alta intensidade (HIIT) realmente trazem bons resultados, mas, como qualquer atividade física, pode provocar danos à saúde quando realizados de forma equivocada, exagerada ou sem orientação de um profissional qualificado.

O joelho é uma articulação que pode sofrer com a forma equivocada e exagerada da prática do Hiit.  Um dos fatores que trazem um pouco mais de preocupação para as lesões no joelho são o fato de que a lesão, na maioria dos casos, só é percebida quando se sente incômodo ou muita dor na articulação.

As mais comuns são o desgaste das cartilagens e dos meniscos, assim como as lesões nos tendões e nos ligamentos.

Os ligamentos são responsáveis por estabilizar a articulação, limitando alguns movimentos e mantendo os ossos no seu devido lugar. Quando falamos em lesões no joelho relacionadas aos ligamentos, estas podem ser de dois tipos:

Lesões de estiramento: na qual não há a ruptura do ligamento, mas ocorre um alongamento dos ligamentos além dos limites normais;

Ruptura do ligamento: nesses casos o alongamento se dá de tal forma que ocorre a ruptura do ligamento, ou este se rompe devido a uma causa mecânica ou externa.

A maioria das lesões ocorrem entre jogadores de futebol, vôlei, tênis e atletas que realizam a corrida devido à sobrecarga exercida sobre a articulação.

Lesões durante a corrida: é comum não nos preocuparmos com o tipo \de pisada no chão nem com os declives e o relevo do percurso da corrida. Por vezes procuramos lugares assim para dar adrenalina ao treino. Eis o perigo. Locais irregulares podem ocasionar tendinopatias;

Lesão do Ligamento Cruzado Anterior (LCA): lesões no LCA podem ser decorrentes de corrida, entorses ou excesso de carga. Uma preocupação é que a recuperação é lenta e difícil, além de vir acompanhada de muita dor e inflamação;

Luxação patelar: ocorre quando a patela é deslocada da articulação, muito frequente em mulheres;

Lesão no menisco: o menisco é responsável por absorver os impactos. Exercícios com movimentos de giro podem ocasionar esse tipo de lesão.

Principais sintomas das Lesões no Joelho

A sintomatologia das lesões é bem comum. O que varia é a intensidade dos sintomas.

A dor e o inchaço são geralmente os primeiros a aparecer. Além de fortes dores musculares na região do joelho e nas regiões próximas, podem ocorrer em alguns casos os chamados espasmos musculares. Também é comum a rigidez na região.

A principal forma de prevenção para essas lesões não se firmarem é o tratamento de desequilíbrios neuromusculares ou fraqueza em certos grupos musculares, que são muitas vezes as raízes das dores que os pacientes relatam.

Os treinos de alta intensidade são ótimos para a saúde física e mental, mas se você não estiver tão condicionado quanto acredita, acaba imprimindo estresse excessivo no tecido mole e nas articulações.

Curso Prescrição do TREINAMENTO HIIT baseado em Evidências Científicas

O curso Prescrição do TREINAMENTO HIIT baseado em Evidências Científicas é destinado a Profissionais que desejam prescrever o TREINAMENTO HIIT com segurança e embasamento científico. Clique aqui e saiba mais!

Lesão é qualquer descontinuidade traumática ou patológica do tecido, ou perda de função de uma parte. Lesão esportiva é um tipo de lesão q...

Saiba mais sobre Lesões no Voleibol




Lesão é qualquer descontinuidade traumática ou patológica do tecido, ou perda de função de uma parte. Lesão esportiva é um tipo de lesão que é acidental em muitos esportes e mais incidente em outros (como esportes de alto contato, individuais ou coletivos). Quase todo o esporte apresenta risco de lesões musculares, stress psicológico e machucados menores.

Segundo Peterson e Renströn (2001) podemos classificar as lesões em duas categorias básicas: lesões traumáticas agudas e síndromes por uso excessivo. De acordo com sua gravidade, podem ser classificadas como do tipo I ou leve, do tipo II ou moderada e do tipo III ou grave. A do tipo I mantém o atleta afastado por até sete dias da prática esportiva; lesão do tipo II ou moderada afastam o atleta de sete a trinta dias e a lesão do tipo III ou grave mantém o atleta fora de treinos e jogos por no mínimo trinta dias

Lesões traumáticas agudas

Lesões traumáticas agudas são responsáveis pela maior parte das pesquisas na área de medicina esportiva principalmente, por serem fáceis de identificar, e por terem causa e gravidade óbvias. Podem ser provocadas por acontecimentos súbitos, de causa e efeitos imediatos, como dor com desenvolvimento de inchaço, podendo também ocorrer edema, escoriações ou até mesmo uma ferida (macrotraumas). Para Grisogono (1989) as lesões agudas podem ser de causa extrínseca, ou seja, devido a uma causa externa como um golpe direto, uma torção brusca (quando se muda de direção) ou uma queda; ou de causa intrínseca, sem uma causa óbvia, como estiramento súbito de uma musculatura ou ruptura de um tendão.

Síndromes por uso excessivo

Síndromes por uso excessivo, segundo Peterson e Renströn (2001), são lesões de difícil diagnóstico e tratamento. Tornaram-se mais comuns devido ao aumento da intensidade e duração dos treinamentos, no caso dos esportes de alto rendimento, e do aumento da prática de esportes em geral. Atinge 25 a 50 % dos atletas que procuram tratamento, na faixa etária entre 20 a 29 anos, ou nos amadores entre 30 a 49 anos, em média após dois anos de treinamento regular. Podem ser causadas por excesso de cargas repetitivas, resultando em lesões microscópicas no sistema músculoesquelético (microtraumas repetitivos). Frequentemente provocam reações inflamatórias e sua principal consequência é a degeneração dos tecidos envolvidos. Podem ser de causa intrínseca, como desalinhamento dos membros, desigualdade muscular, e problemas anatômicos em geral, ou de causa extrínseca, como erro na prescrição do treinamento, falha na execução da técnica, equipamento e superfícies inapropriadas e falta de estrutura. A maioria dos casos (80 %) ocorre nos esportes de alta resistência ou que exigem técnica habilidosa e movimentos repetitivos, com maior incidência nos membros inferiores (80 %), principalmente joelho (28 %) e tornozelo, pé e calcanhar (21 %).

Fatores que influenciam a ocorrência da lesão

A lesão ocorre como resultado de uma soma de diversos fatores numa determinada ocasião. È difícil estabelecer a linha divisória entre causa e efeito devido à multiplicidade de fatores interagindo em cada atleta. Esses fatores incluem o tipo de esporte em que o atleta participa, o nível competitivo, o equipamento utilizado, a experiência, as técnicas do treinador e as condições de jogo. Estas variáveis interagem com as características físicas do atleta e traços de personalidade que, por sua vez, também determinam o desempenho do indivíduo (Jackson et al. 1978).

Com base nisso, podemos dividir os fatores de risco para lesão em duas categorias (Lysens et al, 1995):

Fatores de risco extrínsecos: relacionados com o tipo de atividade esportiva, o modo de praticar o esporte, as condições ambientais, o equipamento utilizado; Tem relação, portanto, com a exposição, tipo do esporte, tempo de jogo, posição no time, nível de competição, treinamento, ambiente (tipo e condição da superfície de jogo, condições do tempo, hora do dia, época da temporada) e equipamentos (equipamentos protetores e calçados).

Fatores de risco intrínsecos: mais relacionados às características físicas individuais e aos traços psicológicos, portanto, com as características físicas (idade, sexo, somatotipo, lesão anterior, aptidão física, mobilidade articular, rigidez muscular, frouxidão ligamentosa, mau alinhamento das extremidades inferiores) e características psicológicas e psico-sociais.

Lesões no voleibol

    O conhecimento da epidemiologia das lesões do voleibol apresenta grandes dificuldades. Aspectos como os critérios de categorização dos conceitos de lesão, a descrição da incidência de lesões, a inclusão das lesões nos protocolos de estudo e a inclusão de sua própria denominação são importantes e variam segundo os autores estudados. Por outro lado, a impossibilidade de poder reconhecer todos os casos de lesões produzidas e por último, a diversidade dos grupos de atletas estudados: profissionais da Superliga Nacional, profissionais do voleibol feminino e masculino, de alto nível (Ferreti et al., 1990).

    A entorse de tornozelo por inversão é a lesão traumática aguda mais comum em jogadores de voleibol (Hirstman, 1998; Brinner e Kacmar, 1997). Isso deve-se principalmente ao fato de os jogadores poderem tocar o pé na linha central da quadra , aumentando o risco de choques com o adversário. Muitas ocorrem na aterrissagem de um salto sobre o pé do jogador oponente (50%) ou quando o jogador, ao saltar na execução de um bloqueio duplo, por exemplo, aterriza no pé de seu parceiro (25%). Muitas destas lesões ocorrem na ação de bloqueio (60%) ou ataque (30%), porque, como esperado, existe uma diferença de tempo de execução entre o salto do atacante e do bloqueador (o primeiro salta antes) (Hirstman, 1998).

    No estudo de Solgard et al. (1995) sobre lesões esportivas, 5222 indivíduos atendidos em emergências de traumatologia foram avaliados através de questionário, apresentando um total de 278 lesões em 269 praticantes do voleibol, representando 5,3% de todas as lesões associadas com esporte (quarto maior responsável pelas lesões reportadas). As áreas mais afetadas, comparadas com outras modalidades, foram as mãos/dedos (45% / 25%) e tornozelo (31% / 20%), porém poucas lesões em outra regiões anatômicas. Nestas regiões, a lesão mais freqüente foi a entorse. Comparando atletas com não-atletas, a incidência de lesões nos atletas foi maior. Muitas das lesões de joelho (82%) e tornozelo/pé (79%) foram lesões sem contato. Nos atletas são comuns as lesões sem contato, durante o salto, e nos demais praticantes (principalmente os jovens), lesões por contato na bola, principalmente ao executar o toque.

    Porém Nardelli (2001), para coletar dados necessários para seu estudo sobre lesões, acompanhou uma equipe de alto nível durante 5 anos e encontrou a lesão do tipo tendinite como a lesão mais freqüente, seguida de entorse (20%), lesão muscular (13%) e fratura (4%).

    No estudo de Bahr e Bahr (1997), cujo objetivo era analisar incidências de lesões agudas no voleibol e sua relação com fatores de risco e mecanismo da lesão, foram entrevistados treinadores e atletas de duas divisões da Federação Norueguesa de Voleibol. Encontrou-se 89 lesões em 272 atletas, em 45837 horas de treinamento e 5751 horas de partidas jogadas. O total de incidência de lesões foi de 1,7 +/- 0,2 por 1000 horas jogadas (1,5 +/- 0,2 durante treinamento e 3,5 +/- 0,8 durante partidas jogadas). A região corporal mais atingida foi o tornozelo (58%), seguido da região lombar (11%), joelho (8%), ombro (8%) e dedos (7%).

    Aagaard e Jorgensen (1996) aplicaram um questionário de observação durante a temporada de 1993/1994 em jogadores das duas divisões de elite de Danish, Dinamarca. Oitenta por cento dos jogadores retornaram os questionários. Do total de atletas, 70 sexo feminino e 67 do sexo masculino, foram relatadas 79 lesões e 98 lesões, respectivamente, representando uma incidência total de 3,8 lesões por jogador por 1000 horas jogadas. A incidência de lesões foi a mesma para homens e mulheres. Entre as lesões agudas, a região corporal de maior ocorrência de lesões foram os dedos (21%) seguidos dos tornozelos (18%). Já entre as lesões crônicas foram os joelhos (16%) e ombros (15%).

    Referente aos dedos, um estudo de Bhairo et al. (1992) sobre lesões nas mãos em atletas de voleibol em retrospectiva mostrou que 226 indivíduos, no período de cinco anos, apresentaram este tipo de lesão. Entorse e distensão foram as lesões mais freqüentes (39%), seguidas de fraturas (25%) e contusões (16%). Os dedos estão envolvidos em 44% dos casos.

    Sobre os tornozelos, um estudo de Bahr et al. (1994) feito em retrospectiva durante a temporada 1991/1992 em duas divisões da Federação Norueguesa de Voleibol nos mostra 63 lesões em 318 atletas em 60.612 horas de treino e 928 partidas. A incidência total de lesões foi de 0,9 +/- 0,12 por 1000 horas jogadas O risco relativo de lesão entre treino e partida jogada ficou em 3,9 (p< 0,001). A maioria dos jogadores (78%) já tinha sofrido lesão no mesmo tornozelo anteriormente.

    Num estudo sobre as lesões no ombro, de Wang e Cochrane (2001), o objetivo foi descobrir a prevalência e incidência de lesões no ombro em atletas de alto nível do sexo masculino. Foram investigadas as principais ações associadas a este tipo de lesão e as características físicas comparativas entre os atletas lesionados e não-lesionados. Cinqüenta e nove atletas da primeira divisão da liga inglesa de voleibol responderam a questionários nas temporadas 1997/1998 e 1998/1999. Vinte e sete atletas tiveram lesão, num total de 29 lesões relatadas. Lesões do tipo por overuse foram as mais comuns.

    No estudo de Carazzato (1992), os locais apontados como os de maior incidência de lesões foram: o joelho (26%), o tornozelo (19%), a coluna (13%), a mão (13%) e o ombro (7%).

    Enfim, vários estudos apontam para as causas, incidências, tipos de lesão e regiões corporais acometidas, mas, segundo Chiappa (2001), para o conhecimento da epidemiologia do voleibol deve-se primeiramente padronizar os conceitos de lesão e dos seus tipos, e incluir estas nomenclaturas padronizadas nas pesquisas; isto tornaria as pesquisas mais compreensivas e adequadas, além destas fornecerem dados "reais", dando uma dimensão mais próxima da incidência geral e incidência específica por tipos de lesão.

Exercícios Funcionais na Fisioterapia

Para quem lida com Fisioterapia Desportiva, os Exercícios Funcionais são uma importante ferramenta para a atuação do Fisioterapeuta. Se você quiser saber mais sobre o assunto, conheça o guia Exercicios Funcionais para Fisioterapia. Clique aqui e saiba mais!

Referencias bibliográficas:

Brinner, W.W.; Kacmar, L Common injuries in Volleyball: Mechanisms of injurie, prevention and reabilitation. Sports Medicine, vol. 24, N° 1, p. 65-71, Jul./ 1997.

Carazzato, J.G. et al. Incidência de lesões traumáticas em atletas competitivos de dez tipos de modalidade esportiva. Trabalho individual de duas décadas de especialistas em medicina esportiva. Revista Brasileira de Ortopedia, vol. 27, n° 10, p. 745-758,1992.

Chiappa, G.R. e Colaboradores. Fisioterapia das lesões no voleibol: abordagem das principais lesões, seus tipos, fatores biomecânicos. São Paulo: Robe Editorial, 2001.

Ferreti, A. et al. Knee injuries in volleyball. Sports Medicine, Vol 10, nº 2, p. 132-138, 1990.

Gaya, A. As Ciências do desporto: introdução ao estudo da epistemologia e metodologia da investigação científica referenciadas ao desporto. Portugal. {1990}

Lysens, R. J; Weerdt, W. ; Nieuwboer, A. Fatores associados com a predisposição para a lesão. Sprint, p. 40-44, Jul/Ago 1995.

Nardelli, J. C. C. Estudo Epidemiológico das lesões do Aparelho locomotor em atletas de voleibol de alto nível. 2001. Dissertação de mestrado. USP. São Paulo. 2001.

Nascimento, L. F. Preparação Física. In: Voleibol: Curso de treinadores nível I. Confederação Brasileira de Voleibol (CBV), 1997.

Peterson, L; Renström, P. Lesões no Esporte: prevenção e tratamento. 3° Edição, São Paulo: Manole, 2001.

A avaliação dentro da Fisioterapia é muito importante para um bom resultado. A avaliação funcional de um paciente dentro da Fisioterapia, nã...

Cuidados durante a Avaliação Funcional





A avaliação dentro da Fisioterapia é muito importante para um bom resultado. A avaliação funcional de um paciente dentro da Fisioterapia, não só da área desportiva, requer alguns cuidados para que os resultados sejam potencializados.

Portanto, para se ter resultados fidedignos, é importante tomar alguns cuidados. Errar na avaliação funcional é algo imperdoável que criará problemas para você e o paciente.

Deixar o Aluno/paciente a vontade durante a avaliação

Cuidado com o que você fala para o aluno. Chegar na aula e dizer "hoje será só avaliação" é praticamente pedir para ser enganado.

Não leve o aluno a mal, ele não está querendo te passar para trás. O problema está no sentido mais comum da palavra "avaliação". Ela traz uma ideia de prova de escola. Pensando que existe "ir bem" ou "ir mal" na prova, os alunos ficam com vontade de tirar uma nota alta.

Ou seja, eles vão corrigir suas posturas e movimentos errados se souberem que estão sendo avaliados. Como resultado você terá uma falsa impressão de que ele não apresenta desvios posturais. Mas essa é uma condição induzida pelo próprio aluno que só vai te atrapalhar mais tarde.

O mesmo acontece com qualquer exercício. Os alunos começam a se preocupar com a qualidade de movimento quando estão sendo avaliados. Infelizmente, esse é o momento da aula em que queremos ver seus erros.

Respeite os limites do aluno

Nem sempre o aluno consegue fazer o exercício do protocolo de avaliação e isso é normal. Nunca force um aluno a continuar se ele está com dificuldade extrema. Só de ele não conseguir fazer aquilo você já conseguiu uma informação valiosa.

Mesmo em aulas de para pessoas saudáveis, você encontraria alunos incapazes de fazer alguns movimentos. Então imagine como isso será com alguém com dores, lesões ou uma patologia em alguma parte.

A dor é outro sinal importante que você sempre deve anotar na sua avaliação. O aluno relatou dor no ombro esquerdo enquanto fazia uma prancha? Anote, isso será importante mais tarde.

Se o paciente não conseguir fazer algum movimento da avaliação, existe a possibilidade de você estar exigindo demais daquele aluno com exercícios muito avançados. Tente adaptar os exercícios, facilitar um pouco ou escolher outros que sirvam o mesmo propósito. Temos um repertório infinito de movimentos do Treinamento Funcional para usar na avaliação.

Escolha o momento certo

Essa semana você percebeu que sua paciente com lesão no ombro está melhorando e resolveu avalia-la. Marcou a avaliação para a próxima segunda, foi lá e começou a avaliar. Mas deu uma hora de aula e você não conseguiu terminar, ou os exercícios acabaram antes do fim da aula. E agora?

Sem desespero, não precisamos fazer todos os exercícios da avaliação no mesmo dia ou um depois do outro. Caso o aluno não saiba que está num teste (que é o recomendado), você pode até colocar alguns exercícios misturados à aula normal ou em dias diferentes.

O que importa é ir anotando os resultados que obteve e depois analisar tudo em conjunto. Tome cuidado com o nível de cansaço do aluno. Deixando um exercício avançado da avaliação para o fim da aula talvez o corpo esteja fadigado demais para fazer.

Teste os resultados

Depois de um exercício podemos perceber uma falha motora, mas estarmos incertos quanto à causa. Calma que isso também é normal.

Nada te impede de adicionar um exercício para confirmar se era mesmo aquele o problema. Você também pode observar a região com dificuldades em outros exercícios da avaliação para ter certeza de que está certo.

10 cursos do Avaliação pelo preço de 1!

Para ter segurança de avaliar o seu aluno/paciente usando vários aspectos a serem analisados, eu recomendo um combo maravilhoso com 10 cursos de Avaliação com o preço de 1. Aproveite e clique aqui!

Se avaliação é um assunto que te interessa, tenha artigos gratuitos de avaliação de Fisioterapia. Clique aqui!

Faça Fisioterapia