A articulação do quadril é formada pelo encaixe da cabeça do fêmur no acetábulo do osso do quadril. A cartilagem articular recobre ambas as ...

Fisioterapia Preventiva do Quadril no Esporte





A articulação do quadril é formada pelo encaixe da cabeça do fêmur no acetábulo do osso do quadril. A cartilagem articular recobre ambas as superfícies articulares, favorecendo a mobilidade do quadril, que tem amplitude de movimento bastante ampla. É uma articulação que gera constante procura por atendimento em clínicas e consultórios fisioterapêuticos, normalmente com queixas dolorosas ou restritivas.  

O quadril é responsável por sustentar o corpo, além de ajudar também a articular o fêmur, osso da coxa, e o osso da bacia. O encaixe desses ossos com o quadril deve ser perfeito e macio e, por isso, há uma cartilagem nessa região para amortecer esse contato.

No entanto, podem existir algumas alterações anatômicas nesse encaixe que podem piorar ainda mais por erros de postura ou com movimentos muito amplos, como os de alguns exercícios feitos na academia

Devido a fraqueza do Complexo Póstero-Lateral do Quadril existe uma cadeia de consequências que acometem membros inferiores e coluna. As principais citadas  são:

Lombalgia
Sacroilíaca
Pubalgia
Síndrome da Dor Femoropatelar (SDFP)
Síndrome da Banda Iliotibial
Ligamento Cruzado Anterior (LCA)
Osteoartrose

No mundo que vivemos e com as atividades que fazemos, manter a pélvis equilibrada é praticamente impossível. Permanecemos muito tempo sentados, com má postura ou em condições ambientais desfavoráveis. Então, o que acaba acontecendo é que o corpo começa a mudar e se desalinhar, a ponto dos sistemas internos e os padrões diários de movimento se tornarem desequilibrados e restritos.

Vou dar o exemplo os músculos do complexo do adutor – pectíneo, adutor magno, adutor mínimo, adutor curto, adutor longo, gracilis. Ter adutores fracos e tensos de um lado dificultará a sustentação do nível da pelve, o que significa que o quadril oposto cairá à medida que você caminha. Isso pode resultar em desequilíbrios nos quadris e nos glúteos, o que pode levar à dor no quadril e ao excesso de tensão no quadril. Não apenas isso, mas poderá aparecer desequilíbrios em todo o corpo, pois o corpo tentará compensar os músculos tensos e fracos.

Por isso, é importante exercícios de fisioterapia fortalecer e alongar os músculos adutores para que eles sejam fortes o suficiente para equilibrar o peso do corpo e apoiar a pélvis, mantendo os quadris saudáveis e sem dores.

Para evitar dores e doenças nessa região,  é preciso manter uma atividade física e praticar exercícios com regularidade é a melhor forma de preservar essa região. É  importante lembrar que trabalhar toda essa musculatura com exercícios fortalece os músculos e evita lesões. O equilíbrio muscular vai proteger a articulação e contribuir para uma maior estabilidade e um melhor funcionamento. Tudo que é mais estável funciona melhor e, portando, gasta menos e há menos lesão.

Com os exercícios, a própria musculatura fica responsável por absorver parte do impacto da caminhada. A articulação fica mais estável, sobrecarregam-se menos os ligamentos e a cartilagem, poupando essa estrutura. Grande parte das lesões tratadas poderia ser evitada com a correta prevenção. Ela engloba desde a obtenção do equilíbrio muscular, a orientação sobre treinos, nutrição, vestuário e tênis, técnicas específicas, check-up, avaliação médica e exames e repouso adequado.

Para quem já sente muita dor, a Fisioterapia é a estratégia mais indicada, pois fará que essa articulação ganhe força e mobilidade. Exercícios de fortalecimento dos músculos dos glúteos deveriam ser realizados, inicialmente, sem a descarga do peso corporal. Nessa fase, atividades aquáticas, como hidroginástica e natação, podem ser benéficas para o alívio da dor, manutenção da condição cardiorrespiratória e aumento da mobilidade do quadril.

Espero que tenha ficado claro o quanto a fisioterapia preventiva é importante para evitar dores no quadril.

Até a próxima!



Como vemos muito em seus quadros e esculturas, os gregos valorizavam muito a saúde, forma física, beleza e potência atlética, dessa form...

Massagem como ferramenta para Fisioterapia no Esporte





Como vemos muito em seus quadros e esculturas, os gregos valorizavam muito a saúde, forma física, beleza e potência atlética, dessa forma, a massagem era usada em seus atletas antes e depois dos esportes, esta técnica era denominada "apoterapia", para eles o procedimento preparava a musculatura antes do evento e limpava os membros de matérias supérfluas e fluidos após uma atividade exaustiva.

O uso de diversas técnicas manuais que objetivam promover o alívio do estresse ocasionando relaxamento, mobilizar estruturas variadas, aliviar a dor e diminuir o edema, prevenir a deformidade e promover a independência funcional em uma pessoa que tem um problema de saúde específico.

A fricção vigorosa de uma área lesionada alivia a dor. A fricção da pele estimula mecanorreceptores cutâneos, e estes sinais aferentes são capazes de bloquear a transmissão - e, possivelmente, a percepção - dos sinais nociceptivos (dolorosos).

O conceito do "portão" nervoso na região do corno dorsal da matéria cinzenta da medula espinhal tem sido fundamental nas estratégicas inervencionais ou de pesquisa que envolvem a dor.

O portão pode ser "fechado" por impulsos sensitivos específicos provenientes dos mecanoceptores em diversas estruturas, mas sobretudo na pele. Quando o portão está fechado, a informação nociceptiva fica reduzida, e isso pode diminuir significativamente o nível de dor. Devemos lembrar que os próprios sinais nociceptores não são, em si, dolorosos. Apenas quando estes sinais atingem os centros cerebrais superiores serão interpretados como "dor".

A ativação do mecanismo de portão espinhal, as influências da supressão da dor descendente e a liberação de opióides endógenos são explicações razoáveis para o alívio da dor produzido pelas técnicas de massagem.

Os efeitos da massagem na circulação sanguínea e linfática também podem contribuir para o alívio da dor.

O alívio da dor também provém do efeito relaxante produzido por certas técnicas de massagem. Se o espasmo muscular é causa significativa da dor, então fica evidente que a redução do espasmo muscular ajudará a aliviá-la.

Além da massagem, a liberação miofascial vem sendo muito utilizada, principalmente, para melhorar a performance esportiva.

A fáscia é um tecido conjuntivo que possui 3 camadas: superficial, espaço potencial e profunda, e ajuda a manter a força muscular. As técnicas de liberação miofascial reduzem a constrição e a dor, sem que ocorra o comprometimento da resistência muscular.

A liberação miofascial, juntamente com a estimulação dos pontos deflagradores, é vital para minimizar o processo inflamatório e ajuda na cicatricial. O objetivo da liberação é alinhar o corpo e a reavaliação adequadas do alinhamento postural.

Para concluir, a Massagem desportiva é uma técnica indicada para atletas amadores ou profissionais, pois ela trabalha com a manipulação e reabilitação dos tecidos moles do corpo, incluindo músculos, ligamentos e tendões. Possui uma sequência de manobras de deslizamento, fricção, amassamento, percussão, vibração e movimentação. Utiliza a Cinesiologia Aplicada e manobras de alongamentos para auxiliar a promover movimentos, e também a Drenagem Linfática como sistema de auxílio.

A massagem é indicada para preparar a musculatura para o dia da competição, o atleta sente-se mais confiante e concentrado para a prova. Após a prova, a fadiga muscular é a principal queixa de dores dos atletas após a competição. A massagem terá ação desintoxicante e será feita com movimentos de amassamento lentos e profundos.

A Avaliação dentro da Fisioterapia Esportiva é de fundamental importância. Só assim, o fisioterapeuta conhece a condição física inicial do...

Avaliação Cineantropométrica na Fisioterapia Esportiva





A Avaliação dentro da Fisioterapia Esportiva é de fundamental importância. Só assim, o fisioterapeuta conhece a condição física inicial do paciente, pois só assim o profissional poderá indicar o melhor e mais adequado tipo de atividade para atender, da melhor forma possível, os objetivos e necessidades deste paciente.

Na Avaliação Cineantropométrica, os testes físicos avaliam as medidas do aluno em movimento. Como a velocidade, a força, a resistência e a agilidade. Porém é importante ter cautela em relação à aplicação de testes físicos para cardiopatas, hipertensos, obesos mórbidos e pessoas acometidas por doenças que fazem parte de grupos de riscos.

Os objetivos do estudo da Cineantropometria

  • Avaliar o estado do indivíduo ao iniciar a programação;
  • Detectar deficiências, permitindo uma orientação no sentido de superá-las;
  • Auxiliar o indivíduo na escolha de uma atividade física que, além de motivá-lo possa desenvolver suas aptidões;
  • Impedir que a atividade física seja um fator de agressão;
  • Acompanhar o progresso do indivíduo;
  • Selecionar elementos de alto nível para integrar equipes de competição;
  • Estabelecer e reciclar o programa de treinamento;
  • Desenvolver pesquisa;
  • Acompanhar o processo de crescimento e desenvolvimento dos alunos.
Uma avaliação bem feita é aquela em que se utiliza critérios e protocolos bem selecionados, fornecendo dados quantitativos e qualitativos que indique, através de análises e comparações, a real situação em que se encontra o avaliado. Em meio a tanto conhecimento técnico-científico, não se pode mais permitir a utilização do protocolo do "achismo", ainda empregado por alguns profissionais em suas avaliações. Só é possível fazer um programa de exercícios com qualidade e segurança com uma avaliação física em que se utilize metodologia, protocolos e critérios de avaliação adequados.

Tenha um E-book de Avaliação Física Funcional completo contemplando realização de testes funcionais, medidas corporais e todos os aspectos necessários para avaliação física pelo profissional da educação física. Clique aqui e saiba mais

Faça Fisioterapia