Esse material foi elaborado com 200 exercícios de Treinamento Funcional que são excelentes fontes para acadêmicos de Educação Física, Pe...

Material: Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino





Esse material foi elaborado com 200 exercícios de Treinamento Funcional que são excelentes fontes para acadêmicos de Educação Física, Personal Trainer e Preparadores Físicos e atletas.

Muitos profissionais sentem dificuldades em variar seus treinamentos e foi pensando nisso que eu criei e pesquisei este material pra você.

Aqui você encontrará além dos exercícios :

- Estrutura dos Programas de Treino;
- Construção de Séries de Exercícios;
- Periodização;
- Dinâmicas de Aulas;
- Características do Personal Coletivo;
- Modelo de Treino Com Roteiro;
- Como Montar Um Centro de Treinamento.

Clique na imagem para saber o valor do investimento e formas de aquisição.

Visualizar

Informações sobre o Produto:

Cirado por AprovaTAF - Líder em treinamento para Testes Físicos



O aquecimento antes de iniciar exercícios extenuantes ajuda à prevenção das lesões. Exercitar-se com passo calmo durante 3 a 10 minutos a...

Prevenção de lesões desportivas



O aquecimento antes de iniciar exercícios extenuantes ajuda à prevenção das lesões. Exercitar-se com passo calmo durante 3 a 10 minutos aquece os músculos o suficiente para os tornar mais flexíveis e resistentes às lesões. Este método ativo de aquecimento prepara os músculos para exercícios enérgicos com maior eficácia que os métodos passivos como a água quente, as almofadas de calor, os ultra-sons ou a lâmpada de raios infravermelhos. Os métodos passivos não aumentam a circulação de sangue de modo significativo.

Arrefecimento significa uma redução gradual da velocidade antes de interromper o exercício e evita a tontura ao manter a circulação sanguínea. Quando se interrompe bruscamente um exercício enérgico, o sangue pode acumular-se nas veias das pernas (estagna), reduzindo momentaneamente a irrigação cerebral. O resultado pode ser tonturas e inclusive desfalecimento. O arrefecimento também ajuda a eliminar os resíduos como o ácido láctico dos músculos, mas não parece prevenir a dor muscular no dia seguinte, causada pela lesão das fibras musculares.

Os exercícios de estiramento não parecem prevenir as lesões, mas alongam os músculos de tal forma que se podem contrair mais eficazmente e funcionar melhor. Para evitar lesões musculares durante o estiramento, este deve ser realizado depois do aquecimento ou do exercício. Cada estiramento deve ser suficientemente cômodo para se conseguir contar até 10 ensaios.

As palmilhas para o calçado (ortopédicas) podem muitas vezes corrigir os problemas do pé como a pronação. As palmilhas, que podem ser flexíveis, semi-rígidas ou rígidas, e podem variar em comprimento, devem ser colocadas dentro de sapatilhas de desporto adequadas.

Os tênis de boa qualidade têm um calcanhar rígido (a parte posterior da sapatilha que cobre o calcanhar) para controlar o movimento da face posterior do pé, um suporte de um lado ao outro do peito do pé (guarnição), para prevenir a pronação excessiva, e uma abertura acolchoada (colar), para apoiar o tornozelo. O calçado deve ter o espaço adequado para a palmilha. As palmilhas ortopédicas geralmente reduzem o tamanho do calçado num número. Por exemplo, um sapato 38 com uma palmilha ortopédica transforma-se em 37.

O curso de Fisiologia na Prática possui a finalidade e intuito principal de propiciar ferramentas e oportunidades para o entendimento e, a...

Curso Fisiologia na Prática: A Ciência Clínica do Exercício




O curso de Fisiologia na Prática possui a finalidade e intuito principal de propiciar ferramentas e oportunidades para o entendimento e, acima de tudo, aplicação de conteúdos, no que tange a Fisiologia do Exercício, preponderantes para o dia-dia do profissional ou estudante de Educação Física, Nutrição ou Fisioterapia.

Trata-se de conteúdos na área de Fisiologia do Exercício expostos de maneira didática e de fácil aprendizado, todavia, acima de tudo, que possuirão aplicações extremamente práticas. Tudo aquilo que não te contaram na faculdade e que faz extrema falta quando você se depara com o mercado de trabalho. Afinal, do que adianta milhares de teorias, se não conseguimos aplicá-las na "hora do vamos ver"? Portanto, este curso vem de encontro àqueles que buscam levar sua carreira e formação para outro nível, e continuar trilhando um caminho em prol da transformação da Educação Física.

"Nossa missão é proporcionar aos alunos um profissionalismo real, cujo qual, não nos é propiciado na graduação, para que juntos possamos mudar a realidade de nossa querida Educação Física"


O que você Ganha se inscrevendo no Curso Fisiologia na Prática?

+ 150 horas de curso

+ 200 aulas teórico-práticas

+ 12 meses de Acesso Ilimitado (as aulas serão liberadas em blocos)

E se você não Gostar, Devolvemos em 100% o seu Dinheiro, dentro do Prazo de 15 dias!

É simples, basta escrever um e-mail solicitando a devolução. Aqui, é sem Burocracia!

Descomplique o complicado, e melhor, aplique na prática!

Tudo aquilo que você precisa saber e aplicar na prática, mas infelizmente, ninguém lhe contou na graduação!

Clique na imagem abaixo para ter mais detalhes de valor de investimento e forma de pagamento.

Visualizar

Informações sobre o Produto:

Criado por Educafit

Elaboração de Planejamentos Individualizados de Treinamento, Alimentação e Suplementação. Este módulo do workshop é focado em estudos de ...

Material: Ciência na Prática - Módulo 1 - Hipertrofia




Elaboração de Planejamentos Individualizados de Treinamento, Alimentação e Suplementação. Este módulo do workshop é focado em estudos de caso de HIPERTROFIA.

Se VOCÊ, PROFISSIONAL DA SAÚDE, já se fez pelo menos uma dessas perguntas: "Será que o que EU prescrevi para meu aluno/cliente é realmente o que existe de melhor na literatura para otimizar os resultados propostos?"

"Será que a estratégia que EU adotei é a mais eficaz para o desenvolvimento do processo?"

Então esse evento é para VOCÊ!



Pensando nessas questões, a HighFit criou um modelo de workshop inédito, onde estudos de casos são apresentados, igualmente àqueles vividos pelos profissionais de saúde.

O que um Personal Trainer deve prescrever e como deve prescrever para um aluno que deseja emagrecer? Esse mesmo aluno enganado nesse objetivo procura um nutricionista; qual a melhor dieta a ser utilizada? Quais alimentos devem ser prescritos? Como conjugar os alimentos? Quantas refeições devem ser realizadas? Qual a melhor estratégia nutricional? Low carb? Low fat? Jejum intermitente? É indicada a suplementação? Quais suplementos são realmente eficazes? Em que momento os utilizar? Como utilizá-los?

Sejam eles professores de educação física, nutricionistas, treinadores ou até mesmo os praticantes que desejam ter um entendimento mais profundo sobre o assunto.

Palestrantes: Rodrigo Baladán, Daniel Chreem, Tiago Leite

Certificado

  • Ao final de cada módulo, o aluno recebe um certificado digital de conclusão do respectivo curso.



Visualizar

Informações sobre o Produto:

Criado por HighFit - Assessoria em Condicionamento Físico e Saúde

Neste breve guia ilustrado, você terá acesso a 95 exercícios de pranchas e esfinges, utilizados no tratamento, prevenção e fortalecime...

Material: 95 Exercícios de Pranchas e Esfinges





Neste breve guia ilustrado, você terá acesso a 95 exercícios de pranchas e esfinges, utilizados no tratamento, prevenção e fortalecimento da musculatura do core assim como do corpo todo.

Além dos desenhos, explicações em textos, também é possível acessar a demonstração do exercício através de um link do Youtube para cada exercício.
 
Este guia é indicado para profissionais da área, se você não é profissional da área do movimento humano e está adquirindo este e-book, tenha certeza de buscar auxilio profissional para executar qual exercício descrito aqui.



Tenha exercícios específicos e enriqueça suas aulas e atendimentos.


https://pay.hotmart.com/T5565644T?_ga=2.197148399.1998809845.1497560324-1943412263.1470137209


Você terá acesso ao produto assim que adquirir. Será enviado para o email de cadastro os dados de acesso.


Informações sobre o Produto:

Criado por Projeto Influir.

Durante décadas, o alongamento antes do treinamento físico tem sido uma prática comum em todos os níveis do desporto. Contudo, tem-se de...

Alongamento pré x pós treino



Durante décadas, o alongamento antes do treinamento físico tem sido uma prática comum em todos os níveis do desporto. Contudo, tem-se demonstrado que o alongamento pré-exercício não reduz as taxas de lesões e, em alguns casos, pode predispor a lesão, ou seja, é provável que haja pouco ou nenhum benefício na prevenção de lesões quando o atleta é submetido ao exercício de alongamento antes da sessão de treinamento (Herbert R e Gabriel M, 2002).

Fatores mecânicos estariam envolvidos no processo de diminuição de força decorrente do alongamento, em que modificações na relação comprimento-tensão poderiam causar um desajuste entre os miofilamentos de actina e miosina, diminuindo a atração das pontes cruzadas de miosina-actina, por consequência diminuição da capacidade de gerar força muscular (Fowles, Sale e MacDougall, 2000; Avela, et al, 1999).

Tipicamente em sessões de treinamento de forca, um elevado volume (produto das series e repetições) e carga de treino (produto das series, repetições e sobrecarga levantada), associado a uma alta intensidade, são necessários a fim de exaurir a musculatura e consequentemente promover os ajustes agudos e adaptações crônicas necessárias (Lin J, Chen T, 2012; Zatsiorsky VM, Kraemer WJ, 2008).

O Colégio Americano de Medicina do Esporte (Medicine AcoS, 2006), recomenda em um programas de exercício fitness geral, o alongamento estático para a maioria dos indivíduos que é precedido por um ativo aquecimento, pelo menos de 2 a 3 dias por semana. Cada treino deve ser realizada 15-30 segundos e repetido 2 a 4 vezes.

Alongamento realizado como parte de um aquecimento antes do exercício é pensado para reduzir a rigidez passiva e aumentar a gama de movimento durante o exercício. Em geral, supõe-se que o alongamento estático é benéfico para os atletas que exigem flexibilidade para seus esportes (por exemplo ginástica, dança, etc). O alongamento dinâmico pode ser mais adequado para atletas que exigem trabalho ou salto de desempenho (Behm D et al., 2007) durante esporte como os jogadores de basquetebol ou velocistas.

De acordo com Kisner e Colby (2007), quando executar o alongamento de curta duração, ganhos de flexibilidade obtidos são transitórias e são atribuídos a uma redução temporária entre actina e miosina nos sarcômeros. No entanto, alongamento de 20 min ou mais, por exemplo, levaria a ganhos de longa.

O alongamento estático (SS) é considerada um método eficaz para aumentar a amplitude de movimento articular (ROM) (Paradisis et al., 2014; Power et al., 2004) e é muitas vezes pensado para melhorar o desempenho (Young and Behm 2003; Young 2007). Com base em uma meta-análise para derivar uma estimativa dos efeitos agudos do alongamento estático pré-exercício (SS) esses resultados já fizeram um impacto extraordinário sobre o desporto e o aos profissionais que agora começaram a recomendar a prevenção de SS durante o aquecimento para o desporto e o exercício físico (Pearson, 2001; Jovens & Behm, 2002; Knudson, 2007).

O alongamento ativo-estático não é indicado previamente ao exercício de força por induzir ao um menor desempenho. No entanto, não se sabe se o mesmo ocorre no exercício de resistência de força (RF). Deste modo, Batista e colaboradores no ano de 2015 pesquisaram o efeito agudo do alongamento ativo-estático sobre o desempenho na RF em homens treinados. Em um estudo que avaliou em 5(cinco) homens praticavam exercícios físicos regularmente e com histórico posterior de musculação. Chegaram à conclusão que a realização do alongamento ativo-estátivo antes do exercício leva a uma considerável diminuição no desempenho durante o exercício de membros superiores, no entanto, não há modificação em exercício nos membros inferiores em homens treinados.

Ainda fazendo menção ao exercício estático, é perceptível que existem controvérsias. Alguns estudos apontam a sua eficácia e outros a sua ineficácia como mostram (Bazett-Jones et al, 2005; Burkett et al, 2005; Cramer et al, 2005, 2007b; Unick et al, 2005; Little & Williams, 2006; McMillian et al, 2006; O'Connor et al, 2006; Maisetti et al, 2007; Kinser et al, 2008; Torres et al, 2008; Wallmann et al, 2008; Di CAGNO et al, 2010; Haag et al, 2010; Handrakis et al, 2010; Molacek et al, 2010; Murphy et Col., 2010),  tem de se reconhecer que muitos estudos relataram nenhuma redução na força e energia, ou explosivos performance muscular seguintes SS. Enquanto alguns deles relataram melhora no desempenho (O'Connor et al, 2006; Gonzalez-Rave et al, 2009; Haag et al, 2010).

Em uma revisão Shrier I, 2004 verificou que embora os efeitos agudos do alongamento resultem em diminuição da força e velocidade de contração muscular, a realização crônica de exercícios de alongamento leva a aumentos na força e velocidade à longo prazo. O pesquisador sugere que o alongamento deveria ser realizado após a realização de exercícios ou numa sessão à parte.

Em estudos realizados por (Yamaguchi I e Ishi 2005; Knudson D et al., 2004) demonstraram que o alongamento não ocasiona alterações na performance muscular. Em um estudo realizado com o objetivo de verificar se a performance muscular na extensão de joelho em pré-adolescentes era influenciada pelo alongamento estático de 30 segundos foi constatado que tal influência não ocorreu (Yamaguchi I e Ishi 2005).

Shehab et al (2006) em pesquisa descritiva, avaliaram escolas públicas por meio de questionários, com o qual, procuraram analisar o conhecimento e práticas adotadas pelos professores na prescrição do alongamento antes de uma atividade esportiva. A maioria dos professores aplicavam em média 13 minutos de alongamentos variados antes de um treino ou competição. Um percentual de 95% dos professores acreditam que o exercício de alongamento antes do treinamento é benéfico na prevenção de lesões.

Fowles et al. expõem ainda que, após 15 minutos de recuperação do alongamento intenso a diminuição da força do músculo é mais atribuída a propriedades mecânicas intrínsecas das unidades musculotendinosas do que a fatores neurais. Eles hipotetizaram que o alongamento pode alterar o relacionamento do comprimento-tensão e/ou deformação plástica dos tecidos conectivos. Assim, tal fato levaria a uma limitação na potencialização da força máxima produzida pela unidade musculotendínea. Além disso, Nelson e Colaboradores sugeriram que a diminuição da força induzida pelo alongamento, após 10 minutos de recuperação, está relacionada à diminuição da rigidez musculotendinosa, que leva a uma alteração no relacionamento de comprimento-tensão da fibra muscular. Contudo, pesquisadores possibilitam a hipótese de que as alterações do alongamento induzido na relação do comprimento-tensão podem ser manifestadas (Brockett, et al, 2001; McHugh, MP, Hogan DE, 2004).

Franco e colaboradores (2008) em estudo que verificou os efeitos agudos de diferentes exercícios de alongamento na resistência muscular observaram que a interferência do treinamento de flexibilidade na força parece estar associada à duração do estímulo, ou seja, quanto maior for o volume do alongamento maior será o déficit na força muscular. Tal hipótese também foi observada em pesquisa de Neto e Manffra (2009) que verificou as alterações no desempenho isocinético dos isquiotibiais mediante dois protocolos de alongamento estático com diferentes volumes, sendo observado que a capacidade máxima de produção de forca sofre influência direta do volume do alongamento.

Endlich e colaboradores (2009), em pesquisa que verificou o efeito agudo do alongamento com diferentes tempos no desempenho da força dinâmica de membros superiores e inferiores, observaram redução da força muscular dinâmica por conta de sessões de alongamentos estáticos efetuados antes de atividades que envolviam força dinâmica, possuindo assim, a capacidade de alterar negativamente o desempenho dessa qualidade física, acarretando pior rendimento em longos períodos de alongamento.

Segundo Witvrouw et al (2004), as contradições sobre a relação entre alongamento e prevenção de lesão podem ser explicadas se forem considerados os tipos de esportes. Afirmando que esportes com alta intensidade do ciclo alongamento-encurtamento requerem maior elasticidade músculotendínea, consequentemente técnicas que melhorem essa elasticidade podem reduzir o risco de lesão. Quando o esporte é de baixa intensidade, não precisando de muita elasticidade músculo-tendínea, o alongamento pode não ser tão vantajoso.

Bibliografia:

Wallmann HW, Mercer JA, Landers MR. Surface electromyographic assessment of the effect of dynamic activity and dynamic activity with static stretching of the gastrocnemius on vertical jump performance. J Strength Cond Res 2008: 22: 787–793.

Fowles JR, Sale DG, MacDougall M. Reduced strength after passive stretch of the human plantarflexores. J Appl Physiol 2000;89:1179-1188

Wilkinson, A: Stretching the trust. A review of the literature on muscle stretching. Austral J Physionther 38:283-287, 1992.

Burkett LN, Phillips WT, Ziuraitis J. The best warm-up for the vertical jump in college-age athletic men. J Strength Cond Res 2005: 19: 673–676

Brockett CL, Morgan DL, Proske u. Human hamstring muscles adapt to eccentric by changing optimum length. Med Sci Sports Exerc 2001;33:783-790.

Franco, B.L.; Signorelli, G.R.; Trajano, G.S.; Oliveira, C.G. Acute effects of different stretching exercises on muscular endurance. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 22, Num. 6. 2008. p. 1832–1837.

Little T, Williams AG. Effects of differential stretching protocols during warm-ups on high-speed motor capacities in professional soccer players. J Strength Cond Res 2006: 20: 203–207.


Faça Fisioterapia