O Futsal é um esporte muito rápido, com muitas mudanças de direções em um curto espaço, isso faz com que o contato seja inevitável e que...

Fisioterapia no Futsal


http://www.ucpel.edu.br/htmlarea/midia/images/portal/noticias/25925042011112839.jpg

O Futsal é um esporte muito rápido, com muitas mudanças de direções em um curto espaço, isso faz com que o contato seja inevitável e que além das lesões a
traumáticas também ocorram muitas lesões por traumas diretos.


As lesões que ocorrem nesse esporte estão relacionadas a fatores de risco que podem ser classificados em Fatores de risco Intrínsecos e Extrínsecos.

Fatores Intrínsecos: São aqueles que pertencem ao próprio indivíduo, como idade, gênero, déficit de flexibilidade e/ou força muscular, lesão prévia, déficit de controle neuromuscular (propriocepção), entre outras.

Fatores Extrínsecos: São fatores que não pertencem diretamente ao indivíduo como tipo de quadra, calçado esportivo, carga de treinamento, biomecânica do gesto esportivo, etc.

A necessidade de se obter resultados rápidos e eficientes no esporte tem feito com que a fisioterapia esportiva se desenvolva cada vez mais. Este desenvolvimento técnico cientifico tem beneficiado também aqueles que não são profissionais do esporte. Na fase de recuperação o fisioterapeuta trabalha a amplitude do movimento articular, a força muscular, o equilíbrio e a coordenação, a autoconfiança do paciente e o retorno gradual e progressivo as atividades esportivas.

Geralmente as lesões no esporte estão relacionadas à falta de condicionamento físico e a traumas diretos. Essas lesões variam de acordo com a modalidade esportiva.

Os locais que mais sofrem com as lesões no futsal são os membros inferiores, acometendo com maior freqüência as coxas, joelhos e tornozelos. Dentre as lesões mais comuns se destacam lesões musculares que freqüentemente afetam os músculos: Isquiotibiais (mais comum), adutores, Quadríceps (principalmente o músculo Reto Femoral) e pouco menos comum o músculo Tríceps Sural. As lesões articulares também são muito vistas no Futsal, principalmente as entorses de tornozelo e joelho, respectivamente.

Nos últimos anos nenhum outro aspecto de carga muscular (tensão específica aplicada a unidade músculo-tendínea) tem sido mais descrito, disc...

Treinamento muscular excêntrico na Fisioterapia Esportiva


http://3.bp.blogspot.com/-s2yXAd2HtS0/VH7R5IiKpsI/AAAAAAAACio/auO1vO0eqm4/s1600/excentrica.png



Nos últimos anos nenhum outro aspecto de carga muscular (tensão específica aplicada a unidade músculo-tendínea) tem sido mais descrito, discutido ou investigado na literatura científica e prática clínica do que o movimento excêntrico.

O termo excêntrico  é definido como sendo "uma carga muscular que envolve a aplicação de uma força externa com aumento de tensão durante o alongamento físico da unidade músculo-tendínea" ou seja (Fortalecer quando o musculo se alonga ou Fortalecer afastando origem da inserção).

A força gerada pelo músculo em contração e a alteração resultante de seu comprimento são dependentes de três fatores: do comprimento inicial; da velocidade com que ocorre a alteração do comprimento; e das cargas externas atuando em oposição ao movimento.

Evidentemente, com o crescente número de pesquisas e trabalhos científicos envolvendo o trabalho muscular excêntrico, alterou-se definitivamente a concepção equivocada e simplista de que a contração muscular excêntrica seria única e meramente o retorno, ou a segunda fase dos movimentos isotônicos.

Quando se leva em consideração a fase excêntrica do movimento, sobretudo aplicada aos programas de treinamento humano (na reabilitação ou não), devem-se avaliar os benefícios, vantagens e principalmente as precauções que são excepcionalmente distintas quando relacionadas à fase concêntrica dos exercícios isotônicos.

O treinamento excêntrico certamente aplica-se de forma bastante eficiente a várias populações, podendo ser útil desde disfunções geriátricas articulares até programas de treinamento atlético de elite.

Os Benefícios do treinamento muscular nos programas de fisioterapia desportiva e do treinamento muscular multimodal durante a reabilitação tem sido amplamente aceito, e a carga excêntrica fornece um elemento especializado durante a reabilitação do atleta lesionado, haja vista que o uso do treinamento excêntrico irá preparar o atleta de forma mais eficiente durante momentos em que uma ação excêntrica for requerida para a prática esportiva eficiente e segura ou mesmo para as demandas funcionais impostas pelo cotidiano.

Portanto, torna-se notório que o condicionamento muscular excêntrico reproduz as exigências biodinâmicas que serão impostas aos atletas ao retornarem à prática desportiva.

Muitas atividades esportivas requerem ação muscular excêntrica de alto nível (em termos de velocidade, repetição e intensidade) tanto para desempenho máximo quanto para proteção das articulações sinoviais e tecidos moles adjacentes.

Outra função extremamente relevante para a Fisioterapia acerca do condicionamento muscular excêntrico reside no fato deste poder atuar de forma preventiva em relação às lesões musculares induzidas pelo  over-training,  ou síndrome do super treinamento em atletas de alto nível. Embora uma simples sessão de exercício excêntrico possa induzir a uma lesão muscular significativa, ela também confere ao músculo uma proteção considerável contra lesões similares resultantes de sessões subsequentes de exercícios de alta intensidade que constituem prática corrente nos programas de treinamento desportivo de alto nível.

As contrações musculares excêntricas, particularmente empregadas na reabilitação de várias lesões relacionadas ao desporto, são fundamentais para desacelerar o movimento de um membro, sobretudo durante as atividades dinâmicas de alta velocidade inevitavelmente requeridas durante a prática esportiva.

Os déficits de força ou a incapacidade dos músculos em tolerar as cargas excêntricas a eles impostas (ressaltando que determinados gestos desportivos podem atingir uma velocidade angular de até 8000º/s – graus por segundo) podem predispor o atleta descondicionado excentricamente a inúmeras lesões. Alguns estudos sugerem que lesões na musculatura dos isquiotibiais, em atletas de corridas de curta distância, estão, dentro de outros fatores, relacionados a pouca força excêntrica dessa musculatura.

Tendo em vista essa problemática, torna-se imperativo que mais pesquisas acerca do Treinamento Excêntrico sejam produzidas e divulgadas nacionalmente tanto pelos fisioterapeutas quanto pelos educadores físicos para que cada vez mais pessoas (atletas profissionais ou não) possam se beneficiar amplamente do treinamento muscular multimodal, criativo e eficiente e que fundamentalmente não negligencie a devida importância que deve ser atribuída à fase excêntrica dos movimentos isodinâmicos durante o processo de reabilitacão e de preparação física funcional do atleta, levando a um retorno mais seguro e precoce à sua prática desportiva.


Hino, AAF; Reis, RS; Rodriguez-Añez, CR; Fermino, RC. Rev. bras. med. esporte;15(1):36-39, jan.-fev. 2009. tab.

  Você que já finalizou sua Graduação em Fisioterapia, seja há muito ou pouco tempo, e está procurando se especializar , que tal fazer uma P...

Sete motivos para fazer uma Pós-Graduação em Fisioterapia Desportiva


 http://panel.posunifae.com.br/img/unifae/file_531f84c9656a2.jpg

Você que já finalizou sua Graduação em Fisioterapia, seja há muito ou pouco tempo, e está procurando se especializar, que tal fazer uma Pós-Graduação em Fisioterapia  Desportiva?

É uma área que está em franca expansão e que vai te dar ferramentaspara trabalhar nesta área.

Veja  Curso Online sobre Fisioterapia Desportiva

1 – Visibilidade no mercado de trabalho

Iniciativa, multifuncionalidade, agilidade, flexibilidade, prontidão para resolver problemas, habilidade para trabalhar em equipe são algumas das habilidades desenvolvidas no Curso de Especialização . O novo perfil do profissional exige isso, fundamental para ampliar sua visibilidade no mercado de trabalho.

2 – Constante atualização

Ao fazer uma Pós-Graduação em Fisioterapia  Desportiva, o estudante passa a ter acesso aos mais novos e atualizados protocolos de reabilitação utilizados em pacientes, com seus métodos terapêuticos.

3 – Foco na área desportiva

O ano de 2016 será muito importante para o esporte brasileiro, com a realização dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. Isso também valorizará os profissionais da área de Fisioterapia Desportiva, que estará em evidência.

4 – Formação sólida

O Curso de Especialização  conta com corpo docente qualificado, experiente no mercado de trabalho, em constante aprimoramento e atento às necessidades da área. Além disso, possui uma grade curricular especialmente desenhada.

5 – Grande área de atuação

O profissional   estará se aprimorando na área que possui o maior volume de pacientes do mercado: a Musculoesquelética.

6 – Contato direto com profissionais

Os estudantes   têm a oportunidade de participar de aulas com professores especialistas em suas áreas e de renome no cenário nacional.

7 – Importância da área na Fisioterapia

Traumatologia, Ortopedia e Desportiva são áreas responsáveis por grande parte da assistência prestada por profissionais de Fisioterapia. Cada vez mais, é necessário que os fisioterapeutas estejam melhor preparados para atuarem no mercado de trabalho, utilizado amplamente os recursos possíveis em atenção global à população beneficiada por esse serviço.

Faça Fisioterapia