A Fisioterapia Esportiva como prevenção


>




Na sociedade atual, a prática esportiva vem crescendo consideravelmente.  Não me refiro aqui somente aos atletas de alto rendimento – uma minoria que tem a atividade esportiva como profissão – mas sim aos que praticam procurando um lazer, melhor qualidade de vida e mais saúde. Associado ao início precoce, o aumento da expectativa de vida – contribuição do esporte – faz crescer estatisticamente o número de pessoas que praticam atividade física. Estes aspectos contribuem diretamente para o aumento do número de lesões decorrentes dessa prática.

Outro fator de extrema relevância, que também tem efeito no aumento do número de pessoas lesionadas nos dias atuais, é o maior envolvimento das mulheres em esportes recreacionais e competitivos. Através de estudos científicos provou-se que as mulheres apresentam maior predisposição e risco de sofrerem lesões. Isto ocorre por fatores estruturais, mecânicos, neuromusculares e até mesmo hormonais.

Existem dois tipos de fatores que podem comprometer a prática esportiva tanto em mulheres quanto em homens: os intrínsecos (sexo, idade, condição física, nutrição, fatores psicológicos e sociais) e os extrínsecos (relacionados a planejamento e intensidade da atividade física, condições climáticas, local do treino e equipamentos utilizados como vestuário, acessórios e calçados). Desta forma, devem ser levados em consideração, por exemplo, overtraining, alterações posturais, sobrepeso, piso inadequado, desequilíbrio muscular e até mesmo o tipo de pisada.

Uma vez gerada a lesão, o atleta busca o tratamento e, apesar da evolução da medicina desportiva como um todo (destaco o trabalho em conjunto de médicos e fisioterapeutas), esse não é um caminho tão fácil. Para que o tratamento seja satisfatório, o atleta amador precisa incluir em sua rotina as sessões diárias de fisioterapia mais acompanhamento médico com realização dos exames complementares. Isso quando não é obrigado a diminuir a intensidade das suas atividades de vida diária. No caso do esporte de alto rendimento profissional, é ainda mais complicado quando se tem um atleta lesionado. Um jogador de futebol, por exemplo, sofre cobrança por parte dos patrocinadores, por parte dos torcedores e por parte da família. Se estiver em temporada de competição o time é obrigado a contratar jogadores para repor o elenco.

Por isso é tão importante se buscar formas de prevenir as lesões esportivas para beneficiar tanto os atletas amadores quanto os profissionais. Com este fim, o fisioterapeuta possui inúmeros recursos como avaliação estática e dinâmica completa, avaliação postural, avaliação de deambulação, corrida e gesto esportivo, testes específicos para cada articulação ou grupo muscular, equipamentos como plataforma de força, de contato e dinamômetro para avaliação de equilíbrio muscular. Através deste trabalho, é possível prever possíveis lesões e, a partir de então, trabalhar em parceria com o treinador, educador físico ou técnico, de forma a minimizar os riscos existentes.


Milena Matias - Fisioterapeuta - CRECITO 93811F
A Fisioterapia Esportiva como prevenção A Fisioterapia Esportiva como prevenção Revisado by Faça Fisioterapia on 11:05 Nota: 5